ESTRELA GUIA NF: REFLETINDO* MORRER ...O GRANDE REENCONTRO...

tetp

slide

Venham se cadastrar!

REFLETINDO* MORRER ...O GRANDE REENCONTRO...


Sobre a morte e o morrer

Na sociedade em que vivemos, a morte é ainda encarada como tabu. É assim que, habitualmente, quando morre alguém na família, as crianças são afastadas sob o pretexto de que não suportariam a tragédia. Tudo aquilo é demais para elas.

Alguns costumam mandar as crianças para as casas de parentes e, para explicar a ausência do que morreu, inventam histórias de que mamãe ou papai ou o irmãozinho foi fazer uma longa viagem.

A criança percebe que algo está errado. Especialmente se, nos dias que se seguem, os parentes acrescentam variantes ao fato, ou então, a buscam compensar da ausência sentida, com presentes e mimos, evitando suas perguntas.

Esse tipo de comportamento nos leva a pensar que a morte ainda se constitui em um acontecimento medonho, pavoroso, do qual se busca preservar a infância.

Recordamos que, através do tempo, o homem tem manifestado seu terror da morte de várias formas. Os hebreus consideravam o corpo do morto como alguma coisa impura, que não podia ser tocada.

Os índios americanos falavam de Espíritos do mal, no trânsito da morte, e os buscavam afugentar atirando flechas para o ar.

Na atualidade, apesar de caracterizarmos como uma despedida honrosa a salva de tiros num funeral militar, não deixa de ser algo semelhante ao ritual indígena.

Mesmo as pedrinhas ou os punhados de terra que muitos enlutados costumam jogar na cova aberta, sobre o caixão, traduzem símbolos antigos expressando o desejo de sepultar bem fundo o que se foi e, com ele, os maus Espíritos.

Tudo isso demonstra que o homem não mudou muito, embora a tecnologia esteja avançada e a ciência caminhe a passos largos para decifrar inumeráveis enigmas da vida.

Contudo, o Sublime Semeador da Verdade, na paisagem bucólica da Galiléia cantou a imortalidade, falando-nos da vida que nunca morre.

Ao se despedir, na célebre noite que antecedeu a Sua prisão, afirmou aos apóstolos reunidos: Vou preparar o lugar para vós. E depois que Eu tiver ido e vos tiver preparado o lugar, virei novamente e tomar-vos-ei comigo, para que, onde Eu estiver, estejais vós também.

É a palavra de Jesus a nos dizer que a morte não passa de mera transição. Que morre o corpo mas o Espírito prossegue vivo, com todas suas virtudes.

E Ele mesmo nos afirma que nesse novo mundo, o espiritual, para onde nos dirigiremos, não estaremos sós. Seu amor nos aguarda no carinho dos amigos que nos precederam, dos afetos desta e de outras vidas.

Morrer é, em verdade, um grande reencontro.

Algumas tribos de índios americanos costumavam enterrar seus parentes com tudo o que lhes pertencia.

O objetivo era que, na nova vida que eles não conseguiam conceber como espiritual, continuassem felizes, ocupando sua montaria, suas vestes, seus apetrechos de caça e pesca.

Sentimento semelhante nutriam algumas comunidades gregas antigas, encerrando no túmulo jóias e vestimentas para que nada faltasse ao morto.

Tinham assim, a idéia da imortalidade, faltando-lhes concebê-la em seu aspecto de espiritualidade.

Momento Espírita.

Um comentário:

Ana Mariza disse...

Nossa cultura, sobre a morte, ainda é algo que apavora, pois morte ainda significa, uma perda, alguém que amamos, nos privará de sua presença, e que nunca mais poderemos toca-lo, e que é definitivo.
Nós temos esta cultura da perda definitiva.
Com esta maneira de se viver de hoje em dia são poucas as pessoas espiritualizadas, que já conseguem compreender, que morte não é o fim e sim o começo. E normalmente, se consegue entender a própria morte, mas por exemplo a morte de um filho....é muito difícil esta compreensão. Mas acho que estamos caminhando para um outro lado, o desta compreensão, de que não é uma perda definitiva. Por isso amiga, eu busco um entendimento, tanto para a morte quanto para minha passagem por aqui na terra.
Muito bom passar pelo "Estrela"...