ESTRELA GUIA NF: REFLETINDO* O AMOR POR JOANNA DE ANGELIS * I

tetp

slide

Venham se cadastrar!

REFLETINDO* O AMOR POR JOANNA DE ANGELIS * I


Imagens, Mensagens, Frases e Vídeos - Místicas - Orkut

MeusRecados.com - Recados e Imagens de Místicas para Orkut



O AMOR POR JOANNA DE ANGELIS I PARTE

A exteriorização do psiquismo divino
pode ser considerada como o Amor que
tudo cria e vitaliza.

Por essa razão, o Apóstolo João
afirmava que Deus é amor.

No universo, ele se expressa como a
força da atração e reação gravitacional,
manifestando- se em diferentes leis que
sustentam o equilíbrio das Galáxias.

No reino mineral, ele é a energia que
aglutina as moléculas e as mantém unidas,
aparentemente insensíveis, nas quais
dormem os elementos vitais, que
desabrocharão na sucessão dos milênios.

No reino vegetal, encontra-se como a
sensibilidade embrionária, que desperta,
a pouco e pouco, adquirindo os pródomos
das porvindouras sensações.

No reino animal, converte-se na percepção
e conquista do instinto que preserva a
vida, estabelecendo os primeiros vínculos
sociais, gregários, em grupos, em
sociedades da mesma espécie, antecipando
os passos do porvir.

No reino hominal, é o sentimento que se
expande, manifestando- se em forma de
proteção no clã: maternal, paternal,
fraternal, nacional, para generalizar- se
na comunidade, em ensaios eloqüentes
para o universal...

Sem o amor, a vida não existiria, e,
mesmo que a Lei da Criação estabelecesse
os fenômenos vitais, faltaria o élan de
sustentação das formas e dos seres
existenciais.

Quando o amor vige, tudo respira paz, e
a alma dos homens e das coisas adquire
beleza, crescendo para a plenitude.

Na montanha, o canto das bem-aventuranças,
proferido por Jesus, é o mais belo poema
que a Humanidade jamais escutou, em forma
de exaltação da verdade, da justiça, dos
valores morais, das virtudes. No Calvário,
porém, cuja trajetória tem início na
entrada triunfal em Jerusalém, o Mestre
viveu-o intensamente, por conhecer a
imaturidade psicológica e evolutiva
daqueles que O aplaudiam, a princípio,
para depois O levarem à Crucificação.

O amor impregnou-Lhe a vida em todos os
momentos do mistério, tornando-O, então,
o símbolo mais perfeito de que se tem
notícia, a respeito desse hálito da Vida,
que é o Amor.

Nas estradas da Úmbria, em renúncia
comovedora, Francisco de Assis desfraldou
a bandeira do amor e penetrou-se desse
sentimento, de tal modo que se casou com
a senhora pobreza, tomando, como seus
irmãos, os animais, as águas, o Sol, a Lua,
a natureza, que decantou em hinos de
incomparável beleza. Na solidão da
Porciúncula, onde morreu, foi o amor que
irradiou que o tornou mais sublime símile
do Amigo Divino, a Quem imitava.

Nos dolorosos testemunhos das enfermidades,
Teresa de Ávila encontrou no amor do Mestre,
o seu divino noivo, a força, a coragem e
a esperança para ser fiel ao mandato de
abnegação, tornando-se sábia e exemplo da
plena comunhão com o pensamento do seu
Amado.
Postar um comentário