ESTRELA GUIA NF: REFLETINDO*LAÇOS DE FAMIÍLIA II*

tetp

slide

Venham se cadastrar!

REFLETINDO*LAÇOS DE FAMIÍLIA II*


Lacos de familia II
Quais os tipos de casamentos podemos ter?
-Os casamentos vão estar de acordo com a afinidade dos cônjuges. Se construíram essa afinidade no passado e têm merecimento para prosseguirem, teremos um casamento feliz. Se nos deixamos levar pela paixão, pela aparência física, pelos interesses materiais, teremos um casamento com uma ligação fortuita. Se temos um compromisso de resgate que vem do passado, teremos o casamento provacional.
Quando desenvolvemos o amor em nosso coração, podemos nos casar para ajudar o(a) companheiro(a). Neste caso, o casamento é uma missão.
Como saber quando a separação é lícita?
- "A vida muitas vezes encarrega destes acontecimentos, o que é visualizado, em aspectos diferentes para casos diferentes, em tempos diferentes.
Sabemos que há Espíritos que, por quererem manter uma proximidade com sua família, acabam atrapalhando-a após o seu desencarne. O que a Doutrina Espírita pode fazer no sentido de esclarecer esses Espíritos que acreditam ficando perto de seus entes queridos depois de desencarnados fazem a eles bem e proteção?
-Demonstrar a esses espíritos que a melhor maneira de ajudar aos familiares é, primeiramente, ajudando-se a si mesmo, ou seja, buscando o seu equilíbrio, estudando, compreendendo as leis de Deus, para, desta forma, em vez de desequilibrar, realmente ajudar.
Por que temos que esquecer o contato no sono com nossos entes queridos?
-Isso acontece quando essas lembranças possam atrapalhar o curso de nossa vida diária, pois o amor que muitas vezes nutrimos ainda está muito mais no campo do apego.
Como podemos identificar se o casamento é arrumado aqui na Terra ou não?
-Normalmente não percebemos, pois, se soubéssemos, provavelmente não casaríamos.
Como encarar a contracepção através da laqueadura ou vasectomia?
- O perispírito seria lesado trazendo prejuízos em nova encarnação?
Tudo que obsta o curso da Natureza nos é prejudicial. De acordo com cada caso, realmente traz prejuízos ao perispírito e, conseqüentemente, a futuras reencarnações. É importante lembrar, entretanto, que é preferível esses métodos ao aborto criminoso.
No caso do aborto natural, houve recusa por alguma das partes interessadas?
O aborto natural pode ser uma prova para os pais, para o espírito reencarnante, ou para ambos. Tendo o espírito o livre-arbítrio, pode, certamente, recusar a reencarnação, pelas dificuldade que antevê, ou até pela própria animosidade dos pais.
Por que há tanta briga de irmãos em família? Como pode se explicar que dois irmãos numa mesma casa sejam como estranhos e não consigam se relacionar? (Eu me refiro não só a brigas, mas a serem como dois estranhos)
-Porque não estão ligados pelos reais laços de afetividade. São espíritos que se reúnem para transformar desenganos que normalmente tem raiz no passado. Sem a reencarnação é impossível o entendimento destas questões.
Por que a insistência na discriminação racial nos dias de hoje se, inconscientemente, todos sabem já terem passado por várias raças, sexo, etc? Alguns povos renascem sempre numa grande mesma família espiritual (mesmo povo)?
-Digamos que cremos, mas não sabemos. O saber é quando interiorizamos um conceito na alma. Por enquanto, a maioria dos conceitos está interiorizada na mente, o que já é um grande passo, pois, nos povos primitivos, nem na mente estava. Logo, estamos caminhando para diminuir e extinguir não só o preconceito racial, como qualquer outro tipo de preconceito. Jesus foi a exemplificação máxima deste saber. Os povos se reúnem por afinidade. O que acontece é que alguns espíritos avançando mais rapidamente, muitas vezes, se desligam do grupo, não por rejeição àquele grupo, mas pela necessidade de buscar novos horizontes para o seu crescimento espiritual, sendo ainda possível que muitas vezes voltem como missionários.
Como fica a separação com relação ao compromisso de bem criar os filhos?
-A separação provoca sempre um transtorno na vida da criança. Nestes casos, o pai e a mãe deverão se desdobrar mais ainda nos cuidados, na atenção aos filhos. O mínimo desejável é que o casal separado possa manter uma cordialidade, evitando discussões diante dos filhos, minorando assim o sofrimento dos filhos.
Como lidar com um filho que odeia os pais e faz tudo para separá-los?
-Algumas medidas básicas que a doutrina nos ensina e que, nestes casos, devem ser intensificadas: a evangelização no Centro Espírita para esse filho, o culto do Evangelho no lar, com a participação da criança, a prece diária e, se necessário, o próprio tratamento espiritual, pela casa espírita. Não podemos esquecer que o apoio de um psicólogo pode ajudar bastante.
Ao procurarmos entender o real conceito de Família, vamos desenvolvendo em nós a necessidade da reforma íntima, nos evoluindo, nos conscientizando que somos espíritos imortais, facilitando desta forma o nosso convívio neste sagrado e abençoado grupo instituído por Deus. Roguemos sempre ao Pai maior forças para seguirmos em frente diante das dificuldades dentro de um grupo familiar, pois são essas vitórias que enobrecem nossas atitudes, nos auxilia a cumprir os nossos compromissos reencarnacionistas.
Pesquisa, livro dos Espíritos – Kardec, e outras pesquisas.
Postar um comentário